10 de fev de 2012

Minuto do leitor: Um Dia Serão Apenas Cicatrizes...

Difícil mesmo falar de um sentimento que ainda vive em mim, um amor que talvez não tenha ido embora ainda, é como mexer em uma ferida em aberto que a qualquer momento pode sangrar, porque ainda dói, não sei como falar de nós se é que existe nos dois, pois é uma historia que envolve tantos sentimentos, tantas idas e vindas, mas infelizmente essa é uma historia que só vive em mim, na minha cabeça, porque pra você já passou, você já escreveu uma nova historia com um novo alguém, já eu to aqui ainda tentando escrever uma nova historia na qual o personagem principal não seja mais você, tentando ainda superar todas as magoas, e frustrações que um dia você me causou, me pergunto todos os dias como um relacionamento tão curto pode causar em mim esse reboliço todo, todo esse impacto, mais de tudo que você me fez, não posso deixar de lembrar as coisas que aprendi contigo, do quanto eu sou forte, do quanto eu sou persistente, sim eu sou forte, porque depois de tantas coisas que vi, ouvi, li, continuo aqui em pé, me demonstrando feliz, mesmo quando meu coração só chora, descobri em mim uma pessoa capaz de tantas coisas, capaz até de continuar te amando depois de todo esse tempo, depois de tantos acontecimentos, me lembro como ontem, das coisas que você me dizia, e me apego nessas lembranças para amenizar nem que seja um terço dessa saudade toda acumulada dentro de mim. Espero um dia poder olhar você com ela e não sentir nada espero realmente não sentir absolutamente nada por você, nem amor, nem ódio, nem magoa, espero me lembrar de você como quem se lembra de um colega do jardim de infância, aqueles que agente nunca vê, e que quando vê, lembramos que existe, que um dia conhecemos, mas que já não importa mais, espero um dia poder amar alguém, como amei e amo você, mais espero também que seja um amor correspondido, um amor recíproco, aqueles que todo amor que se da , se recebe, olha logo eu aqui uma pessoa com tantas marcas, falando de amor, isso prova a você mais uma vez o quanto eu sou forte porque mesmo depois, de tudo continuo esperançosa, esperando da vida um novo amor, uma nova historia, continuo com a esperança de olhar para traz ,e ter a certeza de que tudo que eu podia fazer por nós eu fiz, eu te amei, amei sim e pronto, aceitando todos seus defeitos , todas suas manias, espero também olhar para tudo o que passou de tudo que aconteceu e lembrar daquela ferida que um dia tanto sangrou e que um dia será apenas uma cicatriz, uma cicatriz que um dia foi um ferida , que um dia sangrou, mais que cicatrizou que eu olho e toco, que eu me lembro , mais que eu já não sinto, já não dói.

Por: Rebeca Almeida

5 de fev de 2012

Adeus você.

Meia noite do dia trinta e um de dezembro e eu lá, lamentando por não poder passar o réveillon em uma praia, olhando o céu sem prometer nada e sem esperar nada. Sms para todas as amigas desejando que o ano que se iniciava fosse melhor para todas e que a união permanecesse. Não prometi nada. Chorei, pelo segundo ano consecutivo por saber que nenhuma ligação aconteceria, doeu, de uma maneira diferente à do ano retrasado quando a falta era enorme e o buraco no peito ainda nem tinha se fechado.
Uma e vinte e três da manhã o celular toca, teu nome e meu coração sobe até a garganta quase me fazendo perder o ar. Era você e eu sabia que alguma coisa estranha estava acontecendo. A resposta foi a mais absurda que eu já obtive: NÃO SEI.
Desligamos e eu, tornei a chorar. Dessa vez porque você ligou e acabou com as primeiras horas do meu ano e eu te odiei por isso e fiz a primeira promessa do ano. Nunca mais choraria por você.
Desde então tenho cumprido com exito, não chorei, não procurei e o mais incrível de tudo isso: deixei de me importar. Sabe aquele vicio de passar dias esperando um sms, uma ligação, um e-mail ou uma mensagem de fumaça? Passou. Aquela saudade louca, aquele ciumes e aquele sentimento de perda? Passou.
Não me importa mais como você está, onde você está e com quem está, depois de tanto tempo você conseguiu o que tanto queria, tornou-se apenas mais um.
Por anos eu te quis tão bem, deixei com que você fosse o mais livre possível porque mesmo negando suas características sagitarianas são gritantes e eu sabia que espaço era tudo o que você precisava, te dei tanto dele que outra instalou-se. Paciência, não era tão verdadeiro assim e você é individualista demais para se importar com as vontades e sentimentos dos outros, tão pouco se respeita como é que eu reles 'namoradinha de parquinho' - como seus amigos faziam questão de me classificar - iria cobrar respeito de uma pessoa assim não é mesmo? Você como bom canalha que tem se mostrado desde dois mil e dez, cansou de me enganar e trocou a boba da historia, como eu sempre disse, o mundo continua a dar voltas e uma hora o bobo é você.
Sei bem quais lembranças vieram a sua mente agora, não se sinta mal, você também me fez sentir assim e o pior é que não fazia questão nenhuma de disfarçar. Agora não importa mais. Me chamou de hipócrita por falar de um assunto no qual eu também me encaixava, a diferença entre nós dois é tão simples e fundamental:  eu aprendi. Você continua errando porque isso faz parte do seu caráter, mas não faz do meu e deve ser por isso que depois de você não assumi relacionamento nenhum, porque não tive certeza, não tive as borboletas no estomago e nem o coração acelerado para me entregar. Não pense que te culpo, pelo contrário agradeço por entre tantos mau-feitos ter me deixado tão seletiva a ponto de não entregar o coração parar qualquer babaca feito você. É de babaca em babaca que a gente aprende.
Eu não só cansei de te querer bem, como cansei de ser boazinha com você, porque sinceramente tantos anos de dedicação só serviram para perder tempo. Não falo mau de você, não espalho o quão idiota você é como homem que assume relacionamento e nem faço questão de contar o quanto você foi mau caráter comigo, porque tudo isso me faria espalhar por ai o quanto eu te amo apesar de tudo e a minha segunda promessa do ano é apagar você. Cada centímetro do seu corpo do meu, cada milimetro do seu sorriso da minha saudade e todos os objetos que te pertencem e encontram-se no meu armário. Veja só que bobagem, ainda te guardo em meu quarto. Minha felicidade passou a ser prioridade e mais uma vez digo: FAÇA O QUE QUISER. Sinta-se a vontade para retirar-se da minha vida, novamente e dessa vez definitivamente. Dessa vez a porta fecha e não adianta bater.
Aliás, quem é o próximo?

Nasci em um domingo de primavera ás 21:00 do dia 29 de Setembro de 1991. 1 mês antes do previsto e regida pelo signo de libra.Apaixonada por livros, séries, músicas, flosofia e tecnologia. Espírita Kardecista. Blogueira por amor e futura webmaster por formação. Nasci na selva de pedra mas meu lar é onde os pés encontram o mar e o sol tocar a pele. ♥ (+)