21 de abr de 2011

Adeus paixão...


Incansavelmente tentei trocar os assuntos destes textos. Doa a quem doer sempre me vem você como inspiração. Felizmente ou infelizmente.
Então já que é você, que eu lhe desperdice aqui mesmo.
Devo confessar que precisei de um tempo para me reorganizar, me escondi de mim e me liberei nas mais diversas vontades, mantive minha atenção voltada à compulsividade, comprei o que vinha pela frente, qualquer coisa que chamasse a atenção de forma discreta (as mulheres serão mais capazes de entender), desde a parecer uma boneca até a mulher elegante e moderna. Que o diga meu guarda-roupa que, de cheio dos teus presentes, ficou cheio do meu dinheiro muito bem gasto. Sai para onde quis, conheci todo o tipo de pessoas, e dei oportunidades a mim. Não foi o suficiente para te esquecer. Mas bom o bastante para me renovar.
Reencontrar-te perfurou novamente o coração, paralisei sem reação, me belisquei, respirei, puxei o ego novamente. Confesso, que ao virar as costas, ri com sua cara de espanto, estava realmente espantado pela mulher ao qual eu tinha me tornado. Nem fazia tanto tempo você dizia, e ali estava eu, alguns kilos mais magra, bem vestida, bem humorada, feliz e independente! E você? Caído, com problemas, dúvidas e infelicidade que estavam estampadas em sua cara.
Tive a certeza disso quando você quis entrar novamente em meu caminho. E aí foi hora de provar a mim mesma que eu era forte o suficiente para não lhe aceitar. Dito e feito me segurei firme, viajei, deixei o celular desligado, não lhe contei sobre exatamente nada. Me segurei firme e cheguei a derramar algumas lágrimas tanto era minha vontade de lhe atender, de lhe dizer que sim, que podíamos ser felizes. Mas não, não estou pronta para tentar mais uma vez, e outra, e outra. Não obrigada.
Confesso que fiquei feliz por me ver com outros olhos, isso me deu mais forças, já era tempo de me achar boa o bastante.
E ai você começou a atender ao meu pedido de ‘suma’.
Voltou para sua vida pacata e infeliz, entre mesmices, voltou. Continua indo deitar-se e relembrar como estou diferente e indiferente, se perguntando por que eu não lhe amo mais. Bobagem sua, eu ainda amo. A diferença é que agora você me é indiferente e eu gosto mais de mim.
Ok, estou num pico de ego enorme, mas isso não é bom? Que atire a primeira pedra quem disser que não.

9 comentários:

  1. Olá!

    Adorei o texto, muito bom...

    Sabe, quando comecei meu blog falava de um amor presente fisicamente, hoje toda dor que exala de minhas palavras vem da falta que ele me faz(pois o amor continua presente, não fisicamente mas na minha alma)pois o perdi, de uma forma triste, para a morte...Às vezes creio na idéia que ele me vê, me ilumina, mas nada como tê-lo aqui, nada...

    Bjss e boa sorte meninas!

    Bjss

    Mila

    ResponderExcluir
  2. Boa Noite,
    Lindo Post!
    As vezes precisamos nos enxergar lá dentro,para ver que temos tanta beleza e intensidade que não sabemos!
    Obrigada pela visita.
    Um Beijo
    Feliz Páscoa!!

    ResponderExcluir
  3. Adorei o texto!

    Às vezes é preciso termos como prioridade, dar aconchego ao coração, renovar a vida, a cara, o guarda-roupa, rs.
    Tenho certeza que esse pico de ego só lhe faz bem.
    Nada como se sentir capaz e importante, capaz de trilhar seu próprio caminho idependente de quem estará ou não contigo.

    Beeijo meu*

    ps:obrigada pela visita ao meu cantinho, adorei teu universo, Vanessa, e estou a seguir.

    Feliz Páscoa!

    ResponderExcluir
  4. um dia alguem me machucou muito, mas não consegui ir…meu amor por ele foi mais forte que tudo.

    ResponderExcluir
  5. Adorei o texto!A gente não precisa deixar de amar o outro para passarmos a nos amar.Eu to numa fase de transição da minha vida e estou precisando parar tudo e fazer as pazes comigo mesma, por muito tempo me abandonei, me descuidei, deixei de viver mniha vida verdadeiramente por causa dos outros...
    Feliz páscoa!
    Beijosss

    ResponderExcluir
  6. Vim agradecer a visita e me deparei com esse texto muito bom.

    Achei maravilhosa essa descoberta do amor, não de qualquer amor, mas do amor próprio.

    Gostei muito daqui, querida, virei outras vezes.
    Uma linda semana.
    beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Oi Vanessa obrigada pela visita.
    Passei por aqui agora só pra te responder que demora mais passa a dor do amor, todavia só começa a passar quando vc começa a perder as esperanças k sente em relaçao a pessoa que vc ama.
    Falo por conhecimento de causa. Vanessa eu sofri demaiiiiiiiiiiiiis por uma pessoa que so me iludiu, que desde qdo eu conheçi me deu febre de paixao (louca, cega) abandonei um casamento, minha casa, minha dignidade tudo porque estava encantada e passado um tempo começei a sofrer nas maos dele que so me desprezava e me traia e eu nao conseguia me afastar dele (estava obcecada) e tão obcecada que eu estava me afastar me trazia dores e sofrimentos fisicos a ponto de ele ser uma droga para mim.
    Muita coisa aconteceu, muitas mentiras eu ouvi e acreditei porque preferia me iludir,ate que fui percebendo k com ele eu nao seria feliz.
    Nisso tinha recados de auto ajuda colados no meu serviço pra tudo qto é lado, no espelho aonde me penteava escrito frase do tipo( ei, charlotte tenha força, prossiga)- escrito por mim mesma.
    Enfim..começou a cair as vendas dos meus olhos e hj eu nao sinto mais dor.
    Atualmente estou com uma pessoa que lutou por mim e me tirou dessa obsessão e vivo bem
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Lindo o texto. E não, este não é um ego enorme. O nome disso é amor-próprio, que está transbordando de você e faltando em mim rs
    Você teve forças para dizer não e isso te fez um bem enorme. Admiro.

    Beijos da Flor

    ResponderExcluir
  9. Sempre digo que quando isso acontece falamos mal deles às amigas, comemos e compramos. Algumas aproveitam a ocasião e a perda da fome pra mudar o shape. De toda forma esse reencontro conosco é muito bom, doloroso o desapego a história, mas de grande valia para nos redescobrirmos.Estou passando por esse processo agora...

    Adorei seu texto.

    Bjo!

    ResponderExcluir

Quem nunca altera a sua opinião é como a água parada e começa a criar répteis no espírito.
( William Blake)


Movimente a sua, faça-nos refletir e reflita sobre o que leva como verdade absoluta.


Nasci em um domingo de primavera ás 21:00 do dia 29 de Setembro de 1991. 1 mês antes do previsto e regida pelo signo de libra.Apaixonada por livros, séries, músicas, flosofia e tecnologia. Espírita Kardecista. Blogueira por amor e futura webmaster por formação. Nasci na selva de pedra mas meu lar é onde os pés encontram o mar e o sol tocar a pele. ♥ (+)