29 de jul de 2010

Tudo assim, de uma vez.


Uma musica agradável ao fundo, com alguma letra que me faça refletir a cada frase. Uma taça de vinho e meu computador com uma pagina completamente em branco aberta bem a minha frente.
Convidativo demais para uma pseudo-escritora,linhas a serem preenchidas com toda a complexidade que dentro do meu peito instalou-se. Um papo furado aqui, outro ali, uma cantada mau formulada, algo banal, ajudar alguém aqui, ouvir outra acolá.
Dar conselhos, gosto disso, me sinto útil, principalmente se sentir que foi válido. Mas nunca, jamais quero que seja levado como verdade absoluta, tento só colocar-me na situação e pensar como se estivesse vivendo aquilo,mas não é uma coisa fiel já que quando me coloco na situação não coloco os sentimentos então fico racional demais.
Racionalidade, acho que é essa a essência que falta em todos os meus relacionamentos, tanto amorosos como familiares e sociais. Esse excesso de sentimentalismo me trás uma séria de decepções e expectativas banais. Sentimentalismo é tão bonito na teoria e tão doloroso na prática, só depois das decepções é que percebemos o quanto ' erramos' por sermos emocionais demais.
Particularmente, me senti por muitas vezes a boba da corte, a palhaça do circo, a malabarista do farol ou como quiserem chamar alguém que se sente mal por ter feito e passado por cima de muita coisa com a única desculpa de 'amar'. Não me falem que por amor tudo se justifica, amar é muito bom, muito bonito, mas amar-se é muito mais sublime, real e necessário.
Quando esquecemos que devemos nos amar começamos a julgar o ato do outro como egoísta, mas não, a pessoa simplesmente se ama antes de amar a nós. E é isso que esquecemos de fazer, quando depositamos todas as nossas forças e espectativas em cima da pessoa que está ali para dividir experiencia, sentimento, momento e amor, colocamos sobre os ombros dela uma carga pesada demais, o que foge completamente da idéia de relacionamento.
Acho os sentimentos que acompanham o 'amor' muito mais importantes e necessários que o amor propriamente dito. Confiança, respeito, lealdade, fidelidade e amizade têm um peso muito maior nessa fase da minha vida. Amor, que não completa não acrescenta.
Algumas coisas e pessoas não valem a pena, não valem seu sofrimento, suas lágrimas, seus pensamentos e seus sentimentos, belisco-me frequentemente para lembrar a menina que mora dentro do meu peito todas as coisas que fogem completamente da idéia de amor que criei. Faço todos os dias com que ela acorde e dê-se uma chance, que abra caminhos, sorrisos e espaço para novas pessoas e oportunidades, nem sempre ela aceita.. Ai é que vem aquela velha idéia de apego.
Menina teimosa, reflete toda sua teimosia aqui no estado físico e as vezes tenho vontade mata-la, mas como já disse... Meu lado emocional é forte o bastante. 

Voltamos, as postagens vão se normalizar daqui para frente.
Cliquem em: curti no topo da postagem, avaliem e comentem.



3 comentários:

  1. Amei, amei, amei,..cada pedacinho deste texto me completa.
    Tão sentimentalista e nem um pouco racional, são apenas palavras e a vontade de fazer algo realmente pensando em si própria.

    ResponderExcluir
  2. A definição de amor por parte de muitos é algo completamente platônico e superestimado. Como vc mesma disse, o que vem junto com "amor" é muito mais importante para a nossa vida.

    Quem ama incondicionalmente alguém não passa de um ser inseguro o bastante para não depositar em sí mesmo esse sentimento e a responsabilidade de carregá-lo.

    ResponderExcluir
  3. Como isso é difícil! O sentimentalismo é muito bonito na teoria, muito sofrido na prática e até mau visto na vida real. A racionalidade, sempre tão idolatrada entre os "cérebros" desse mundo. Mas na verdade um não deve existir sem o outro. O fato é que essa peculiaridades que tornam as pessoas tão singulares e especiais. O mais importante você já fez, conseguiu perceber que é assim. Agora, é só tentar equlibrar cada uma delas. Mas não perca a sua essência! Belas palavras! Me identifiquei bastante! =)

    ResponderExcluir

Quem nunca altera a sua opinião é como a água parada e começa a criar répteis no espírito.
( William Blake)


Movimente a sua, faça-nos refletir e reflita sobre o que leva como verdade absoluta.


Nasci em um domingo de primavera ás 21:00 do dia 29 de Setembro de 1991. 1 mês antes do previsto e regida pelo signo de libra.Apaixonada por livros, séries, músicas, flosofia e tecnologia. Espírita Kardecista. Blogueira por amor e futura webmaster por formação. Nasci na selva de pedra mas meu lar é onde os pés encontram o mar e o sol tocar a pele. ♥ (+)